• Water Production Connections

Aprendendo Com o Passado: As Experiências Dos Estudantes

Por Jamison Douglas


Localizada no arco do desmatamento do Brasil, a região de estudo representa um tipo inteiramente diferente de Amazônia do que a descrita em revistas infantis, adesivos para carros e zoológicos. Na década de 1960, programas governamentais atraíram agricultores do sul do Brasil a migrar para Rondônia com promessas de terras gratuitas e uma vida melhor. Respondendo a esses incentivos e apoiados pela construção de duas rodovias financiadas pelo governo federal, os migrantes chegaram à Amazônia e trouxeram com eles métodos agrícolas típicos de climas mais temperados. De 1964 a 2005, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma agrária (INCRA) assentou 84.434 famílias em Rondônia, a maioria em novos assentamentos, em detrimento da floresta tropical existente. Desde então, a cobertura florestal da região foi reduzida em quase 40%, o que está entre as maiores taxas de desmatamento no Brasil. Terras inadequados para a agricultura e incentivos governamentais para converter terras em pastagens resultaram em um campo semelhante aos pastos e arbustos do Texas Panhandle. Este artigo descreve as experiências de alunos de graduação e pós-graduação que trabalharam neste projeto.




Simon Hall, um assistente de pesquisa da Universidade de Salisbury, nunca esteve em nenhuma parte do Brasil antes de ir com a equipe em 2009. Ele esperava a imagem perfeita da floresta densa e da paisagem intocada. Em vez disso, ele foi recebido com estradas vermelhas brilhantes, ondas de poeira e sujeira e um vasto campo de pastagens. “É meio surpreendente ver o quanto da terra foi transformada em pastagem. Parece que a quanto mais lugares eu vou, maiores são as fazendas e mais pastos elas têm ”, explicou Hall.


Nem toda a equipe era nova na paisagem da floresta tropical da América do Sul. Michael Toomey (estudante de Doutorado na Universidade da Califórnia em Santa Bárbara) tinha trabalhado anteriormente no Equador e realizado pesquisas em partes do nordeste e sudeste do Brasil. Ele descreveu uma reação semelhante em relação à paisagem de Ouro Preto do Oeste. “Eu fiquei, na verdade, um pouco surpreso com o contraste que existe em termos de algumas das enormes extensões de pastagens que temos aqui. Você pode realmente sentir que está dirigindo por Wyoming ou Nebraska”. Dada sua experiência com outras regiões e áreas, a paisagem de Rondônia era estranhamente familiar para ele. “Em comparação com outras regiões que são mais jovens ou não tão severamente desmatadas, essa região definitivamente parece muito mais um ambiente tropical transformado, como o pasto que você encontra aqui. Você quase pode acreditar que sempre foi assim”.



Para a investigadora principal, Caviglia-Harris, a terra em 2009 mudou drasticamente desde o seu primeiro estudo na região em 1996. Ao longo das últimas três pesquisas domiciliares, ela descobriu que a área florestal por lote diminuiu de 17 hectares em 1996, para 12 hectares em 2000, depois para 7 hectares em 2005 e para menos de 5 hectares em 2009. O que poderia estimular a rápida mudança? Durante seus 15 anos na região de estudo, Caviglia-Harris aprendeu: “As pessoas de Rondônia sentem que o desenvolvimento é o que devem fazer. Elas acham que "o sul do Brasil fez isso, todos os Estados Unidos e a Europa fizeram isso, por que não deveríamos?" E com o desmatamento, os habitantes experimentaram benefícios em relação à sua qualidade de vida.

Caviglia-Harris acompanhou aumentos consideráveis ​​de renda e bem-estar geral desde 1996. Os barracos de madeira e os campos de mandioca foram substituídos por casas de telhas, instalações de ordenha e eletricidade confiável. “Os agricultores têm celulares agora. A velocidade com que a estrada, as telecomunicações e outros projetos de infraestrutura se desenvolveram foi impressionante ”, acrescentou.


A Perspectiva Local

Fernando de Freitas é engenheiro florestal que vive e cultiva em Ouro Preto do Oeste há 18 anos. Ele enxerga um governo complicado e burocrático que espera muito dos agricultores. “Quase todos os agricultores têm a mesma situação. É quase impossível para os produtores fazerem isso.” Por exemplo, o governo brasileiro recentemente impôs uma lei que, se os produtores quisessem receber empréstimos agrícolas, suas terras teriam que ser pelo menos 50% florestadas. Com a maioria das fazendas nessa região tendo cerca de 10% de terras florestadas, o custo que seria incorrido ao agricultor médio para replantar uma área suficiente para cumprir a lei é enorme. Fernando acredita que, como o governo era responsável pela migração em massa ocorrida na década de 1970, eles deveriam ajudar os agricultores. “Eu acho que é uma das obrigações do governo dar dinheiro e ajudar todas essas pessoas [que agora vivem na Amazônia e chamam essa região de lar].” Baseado em sua familiaridade com a terra e os moradores locais e sua experiência em engenharia florestal, ele explica que a única maneira de ter sucesso no futuro é se o governo trabalha com, e não contra, os produtores. Caso contrário, a regulamentação atual colocará os agricultores fora do negócio. “Não é que você possa simplesmente criar uma lei e dizer: 'você é obrigado a plantar as árvores agora.' Eu sinto que o governo não está se preparando agora para abordar corretamente a situação e será um problema muito grande em 5 ou 10 anos, se o governo não seguir nessa direção. ”



Mas poderia haver uma regulamentação tão rígida sobre a terra que beneficiaria o futuro estado de Rondônia? Semelhante às preocupações com o desmatamento, as razões para o desmatamento e a preservação da floresta são bem diferentes em cada nível. Por exemplo, embora a região como um todo possa se beneficiar de solos, terras e rios mais saudáveis ​​para as gerações futuras, um agricultor individual se beneficia pessoalmente e imediatamente de limpar a terra para pastagem. Sucintamente, o agricultor recebe muito mais benefícios e tem muito menos custo de desmatamento do que o cidadão médio de Rondônia, do Brasil ou do mundo. Em economia, esse processo resulta no que é chamado de falha de mercado (em que o resultado do mercado não é o melhor para a sociedade). De fato, pesquisas indicam que o desmatamento na Bacia Amazônica do Brasil é o resultado direto de vários fracassos do mercado e do governo. Essas falhas explicam as pressões humanas e sociais que ocorreram durante o assentamento de Ouro Preto do Oeste e outras regiões e os problemas socioeconômicos que ainda existem.


Uma solução possível para essas falhas de mercado, de acordo com estudos anteriores e principais pesquisadores Jill Caviglia-Harris e Erin Sills, é implementar programas educacionais que apoiem práticas agrícolas sustentáveis. “Erin e eu descobrimos que a adoção de agricultura sustentável ao longo do tempo não tem aumentado. Não há muitas pessoas que usam esses métodos (menos de 10%), os quais são frequentemente denominados agroflorestais ou consorciados (onde os agricultores plantam culturas dentro da floresta) e são frequentemente suplementados com colheita de peixe e mel. ”Mas por que a maioria dos agricultores de Rondônia não adotou esse tipo de prática? Simplificando, os incentivos não estão nos lugares certos. Além disso, a infraestrutura precária (física e financeira) dificulta a obtenção de educação suficiente para se dedicar a práticas sustentáveis ​​de maneira eficiente e econômica, especialmente quando o corte de florestas através de técnicas de derrubada e queimada requer menos planejamento e é relativamente mais rápido. “Os agricultores que usam práticas sustentáveis ​​desmatam significativamente menos de seus lotes. Eles também têm menos gado e menor renda, mas isso é parcialmente contrabalanceado por dietas melhoradas que incluem uma escolha mais rica de produtos e maior diversificação. ”Um sindicato local, a Associação de Produtores Alternativos (APA), trabalha para recrutar mais membros e educá-los sobre práticas agrícolas sustentáveis.



Antonio Carlos é um agricultor de Ouro Preto do Oeste que participa da organização de agricultores APA e considera que a agricultura e a pecuária são muito mais do que um meio de lucro. “A implementação do sistema convencional de produção, que tem fortes laços com o agronegócio devido ao foco na produção de gado, não responde aos problemas ambientais da população. Responde apenas a essas necessidades da minoria. A mudança que está ocorrendo é tal que a concentração da terra está apenas nas mãos de poucos ”. Para ele, a agricultura deve ser vista como um investimento colaborativo entre o governo e os agricultores. Além disso, os agricultores devem preservar de forma inteligente a terra, formando uma conexão de geração para geração com as complexidades da terra. “Então, quem já tem [a terra], deve ficar, amando e defendendo o que é deles. Porque no futuro - para aqueles que enfrentam um complicado processo de reforma agrária no país - eles nunca terão o que tivemos antes. Então, eles precisam valorizar [a terra] e abraçá-la ”.


Embora os agricultores possam ser os principais responsáveis ​​pelo desmatamento, nem todos os habitantes de Ouro Preto do Oeste são agricultores. Assim, o que os locais querem e esperam da terra é diferente. Como Simone Bauch coloca, brasileira estudante de doutorado na Universidade Estadual da Carolina do Norte, há uma dicotomia nos pontos de vista. “Para alguns, é mais parecido com o que eu posso tirar disso e então talvez vender e seguir em frente. Enquanto para outras pessoas na Amazônia, que é o único lugar que eles têm, eles sabem que o que eles escolherem virão a assombrá-los mais tarde ”. De fato, já existem sinais importantes de que os atuais métodos de desmatamento são inadequados para um futuro sustentável. Embora os solos obtenham algum benefício imediato da conversão de florestas mediante derrubadas e queimadas, o uso prolongado desses solos para agricultura e gado retira os nutrientes do solo e, portanto, torna a maior parte da terra inadequada para retornos lucrativos após 5-10 anos. Como resultado desses solos pobres, prevê-se que os agricultores possam abandonar seus lotes porque eles não podem mais render tanto para ganhar uma renda habitável que mais ou menos possa acompanhar o mercado. Como Caviglia-Harris explica, sem agricultores nesses lotes, nenhuma pesquisa poderia ser feita. “Pela primeira vez em nosso histórico de pesquisa, tivemos que desistir de mais de 30 lotes porque não conseguimos encontrar e nem identificar um proprietário. Em cada um dos nossos anos anteriores, esse número era de apenas 1 ”


De certa forma, os agricultores que escolheram converter floresta madura em pastagem em Ouro Preto do Oeste estão seguindo os passos de outras nações em desenvolvimento. A diferença é a terra local: serviços ecológicos eficazes essenciais para sustentar um equilíbrio saudável de carbono e clima em todo o mundo e uma biodiversidade inigualável que abriga espécies encontradas em nenhum outro lugar do planeta são apenas alguns traços que evidenciam a essência da Amazônia. Por quanto tempo pode Ouro Preto do Oeste se sustentar com essa visão de curto prazo da floresta, que serve apenas como fonte de terra para a produção agrícola? Poderia essa mentalidade prevalente logo ser responsável pela perda de toda a Amazônia brasileira? Caviglia-Harris não acredita que seja esse o caso. “Eu não acho que toda a Amazônia será explorada para agricultura ou extração de madeira. Espero que haja maior pressão por preservação, já que cada vez menos floresta primária permanece”.


Feedbacks de Desmatamento

Para o pesquisador Dar Roberts, corte raso de florestas maduras propõem feedbacks prejudiciais ao clima, à chuva e à uma rede de vida mais interconectada. Tem sido demonstrado que a evapotranspiração, o agregado de evaporação e a transpiração da planta da superfície da Terra para a atmosfera, a partir da Amazônia, gera até 50% das taxas de precipitação na Amazônia. Portanto, de acordo com Roberts, sustentar as taxas de evapotranspiração torna a preservação da floresta fundamental para o sucesso das árvores, culturas, forragem de pastagem, geração de energia hidrelétrica, reabastecimento de aqüíferos e outros serviços integrais fornecidos pela chuva. “Isso é o que realmente assusta os cientistas”, ele comenta, “Qual é o limite crítico do desmatamento no qual os feedbacks climáticos resultam em condições mais secas e secas, aumento de incêndios e aumento da mortalidade do dossel? Quando uma floresta se torna insustentável?”.

Follow us on social media:      Instagram      Facebook      Twitter

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter

Connections between Water and Rural Production: Sociohydrological Systems on a Tropical Forest Frontier

Project funded by the National Science Foundation: CNH-L #1825046

A collaboration between:

© 2019 by Salisbury University. Proudly created with Wix.com |  Terms of Use  |   Privacy Policy