• Water Production Connections

Cartão postal: Uma abundância de vida selvagem na floresta tropical

Por Cassie Sevigny

Periquitos. Crédito da foto: Dan Harris

O projeto Conexões entre Água e Produção Rural (CAP) investiga se e quais agricultores adaptam seus sistemas de produção quando experimentam mudanças na precipitação, quais adaptações eles fazem e se essas adaptações reduzem as perdas de renda esperadas quando ocorrem secas. A melhor compreensão desses feedbacks informará os esforços das agências governamentais e da sociedade civil para ajudar os agricultores a responder à escassez de água. Eu acompanhei a economista Katrina Mullan ao Brasil enquanto fazia meu mestrado em Economia. Em 2019, a sede da equipe CAP foi no hotel Graúna, em Ouro Preto do Oeste, selecionado por estar no meio dos três campos de estudos, e pelos seus amplos salões. O hotel Graúna fica situado próximo a uma reserva florestal administrada pela Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura do Cacaueira (CEPLAC).


Crédito da foto: Dan Harris

Havia muita atividade animal no terreno do hotel por causa da proximidade da reserva. Casais de araras voavam sobre suas cabeças e empoleiravam-se nas árvores todos os dias. Suas cores brilhantes se destacavam contra o marrom e verde da grama, terra e árvores, e vocalizações estrondosas revelaram a origem de seu nome. Bandos de periquitos verdes brilhantes também voavam entre as palmeiras todas as manhãs para se alimentar, com seus gritos incessantes anunciando a chegada de um novo dia. Borboletas cintilavam no ar a qualquer hora. A cada dia eu via uma lagarta colorida diferente ou um besouro muito grande rastejando pela grama curta ou outras superfícies. As cigarras zumbiam um refrão noturno.


Marin Skidmore, uma estudante de doutorado que ingressou no CAP da Universidade de Wisconsin, ficou em uma pequena cabana na extremidade da propriedade do hotel. Quando os morcegos não estavam voando sobre a piscina externa, eles se enrolavam de cabeça para baixo sob o telhado. Ela me levou para uma viagem pela estrada de terra que saía do hotel para ver o pôr do sol do alto da colina, e vimos um bando de macacos pulando entre as árvores! Ela disse que era um pequeno grupo porque eles eram uma espécie em extinção. Tivemos a sorte de vê-los tão perto de uma área com tanta atividade humana.


Crédito da foto: Dan Harris

Os animais não se limitavam a ficar do lado de fora. A chegada de uma cobra coral ao nosso salão de reuniões proporcionou uma companhia inesperada, para desespero de Dan Harris, nosso geógrafo. Uma noite, encontrei um sapo na parede do meu quarto. Eu o segui enquanto ele pulava no banheiro e se acomodava no canto do chuveiro perto do teto. Outro dia, fotografei uma lagartixa em uma janela da área comum. Os entrevistadores dos alunos do CAP me provocavam: "Vocês não tem lagartos em Montana?" Sim, mas não esses que escalam paredes! O fato de termos visto essas criaturas devido à quantidade de desmatamento local é uma prova do valor de grandes reservas florestais protegidas. Senti-me humilde e honrado por testemunhar essas criaturas na selva.

O lagarto que me provocou. Crédito: Cassie Sevigny
Cobra coral na sala de reuniões. Crédito: Dan Harris











Crédito da foto: Dan Harris
Crédito da foto: Cassie Sevigny










Crédito da foto: Dan Harris
Crédito da foto: Cassie Sevigny














Follow us on social media:      Instagram      Facebook      Twitter

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter

Connections between Water and Rural Production: Sociohydrological Systems on a Tropical Forest Frontier

Project funded by the National Science Foundation: CNH-L #1825046

A collaboration between:

© 2019 by Salisbury University. Proudly created with Wix.com |  Terms of Use  |   Privacy Policy