• Water Production Connections

Transições em uma Fronteira Amazônica – Impressões

Por Jamison Douglas


A região de estudo deste projeto inclui 17 municípios em Rondônia, um estado localizado no coração da Amazônia, mas em uma região fortemente desmatada. Quando as pessoas pensam sobre a floresta tropical brasileira, suas imaginações tendem a se aproximar de imagens romantizadas de exuberante vegetação tropical cheia de árvores imponentes, videiras e orquídeas rastejantes, espécies coloridas de pássaros ruidosos, líricos e macacos tagarelas banhados por tempestades diárias. No entanto, para os pesquisadores e estudantes que realizam pesquisas nessa região, a imagem é muito diferente: pastos para gado cortados por estradas empoeiradas e não pavimentadas e cercas de arame farpado que se estendem por colinas onduladas e afloramentos rochosos que são ressequidos pelo forte sol tropical durante a estação seca. Este artigo descreve o trabalho de campo realizado em 2009 que levou às questões de pesquisa que estamos abordando hoje.



Conversão Florestal no Brasil

O desmatamento tropical é uma forma marcante de transformação da cobertura vegetal que atraiu a atenção de pesquisadores de várias disciplinas que procuram explicar e prever a progressão da fronteira de desmatamento. O Brasil tem a maior área contígua de floresta tropical densa do mundo e, apesar de inúmeras iniciativas políticas para reduzir o desmatamento, a região continua a apresentar taxas relativamente altas de derrubada a cada ano. Quase 30% da floresta original encontrada na Amazônia brasileira foi desmatada. Pesquisadores, políticos e cidadãos do Brasil e do exterior estão preocupados com a perda de biodiversidade e impactos na mudança climática. A mídia global continua expondo o público a freqüentes imagens de incêndios florestais e alterações antropogênicas da paisagem. Mas o que realmente está acontecendo e por que as pessoas ainda estão desmatando suas terras? Para entender melhor essas influências e o impacto esperado nas chuvas, a equipe de pesquisa começou a investigar os impulsores no início do século atual, coletando dados de pesquisas das residências e mesclando-os com dados espaciais e de sensoriamento remoto.



Os inquéritos aos agregados familiares
Durante nossa última campanha em campo em 2009, o típico dia de campo começou com uma reunião de café da manhã às 6h30. A equipe de pesquisa recebeu as atribuições de aproximadamente 10-20 pesquisas cada nesta reunião. Pela primeira vez neste projeto de longo prazo, as pesquisas foram administradas por meio do software CAPI (Computer Aided Personal Interviewing) em laptops robustos, em vez de usar caneta e papel. A equipe de gerenciamento de pesquisas foi responsável por agregar e armazenar os dados e executar algoritmos de verificação de erros, para manter a consistência interna entre os entrevistadores.

Análise Geográfica

A equipe geoespacial coletou dados espaciais biofísicos e de infra-estrutura de toda a área de estudo. Esses dados foram coletados por meio de sistemas de posicionamento global (GPS) e coordenados com fontes de dados adicionais em escala regional, incluindo mapas cadastrais e imagens de satélite em um sistema de informações geográficas (SIG). Este processo ligou os dados do levantamento espacialmente às imagens de sensoriamento remoto classificadas. Os dados coletados no campo ajudam a refinar a classificação de pixels e permitem uma revisão da precisão das classificações anteriores. A equipe geoespacial também passou algum tempo no campo mapeando estradas locais e melhorando a precisão posicional das imagens de satélite relativas a cada lote pesquisado.


Coleta Regional de Dados

Finalmente, a equipe regional de aquisição de dados reuniu-se com agências governamentais, organizações de saúde, instituições educacionais e outras fontes potenciais de dados secundários para comparar os dados primários coletados na região de estudo com dados regionais e estaduais. A equipe usa essas fontes de dados secundárias e fontes de dados primários, como pesquisas anteriores na região de estudo, para colocar a pesquisa em contexto e aumentar sua credibilidade.


Combinando os dados

Os dados coletados pelas três equipes foram combinados para gerar uma visão geral das tendências atuais de desmatamento e para ilustrar como o indivíduo e a terra do indivíduo são afetados ao longo do tempo. Essas análises oferecem insights sobre os processos causais e agentes do desmatamento e produzem recomendações de políticas com base em percepções concretas e empíricas.



Dada a equipe em busca de pesquisa multidisciplinar, eles esperam usar os dados coletados famílias, satélites e fontes secundárias O objetivo em 2009 era apresentar uma visão mais abrangente do lado humano do desmatamento, vinculando a tomada local de decisões a padrões regionais e de toda a bacia. Usando contas de primeira pessoa na forma de entrevistas com residentes e visualizações baseadas em tecnologia empregando GPS, SIG e imagens de satélite, a equipe espera criar uma representação multimodal dos fenômenos do desmatamento na Amazônia.



Follow us on social media:      Instagram      Facebook      Twitter

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter

Connections between Water and Rural Production: Sociohydrological Systems on a Tropical Forest Frontier

Project funded by the National Science Foundation: CNH-L #1825046

A collaboration between:

© 2019 by Salisbury University. Proudly created with Wix.com |  Terms of Use  |   Privacy Policy