• Water Production Connections

Perspectiva local: Salvando o rio Santa Rosa

Por Cassie Sevigny

Crédito da foto: Cassie Sevigny

O projeto Conexões entre Água e Produção Rural (CAP) investiga se e quais agricultores adaptam seus sistemas de produção quando experimentam mudanças na precipitação, quais adaptações eles fazem e se essas adaptações reduzem as perdas de renda esperadas quando ocorrem secas. A melhor compreensão dessas respostas informará os esforços das agências governamentais e da sociedade civil para ajudar os agricultores a se ajustarem às mudanças na disponibilidade de água. Em junho de 2019, a equipe do CAP visitou a Associação Agroecológica de Rondônia (AAR), uma associação de agricultores locais na comunidade de Santa Rosa que se preocupa com a água, degradação do solo e segurança alimentar. Os pesquisadores do CAP foram conduzidos por uma pequena parte da floresta tropical que a AAR defende preservar ao longo das margens do rio Santa Rosa.


O rio Santa Rosa não é muito grande e é difícil de encontrar no mapa, mesmo se você souber onde ele está. Ele se combina com outros riachos próximos para alimentar o Rio Jaru, o Rio Ji-Paraná, o Rio Madeira e, finalmente, o Amazonas. Essa sequência de rios é a fonte de água de grande parte do estado, inclusive dos próprios municípios que teriam mandado seu lixo para cá se a comunidade não tivesse agido.


Não muito tempo atrás, este local foi programado para se tornar o lixão municipal. O município de Ouro Preto do Oeste adquiriu o terreno em 2001. “Jamais esquecerei o 11 de setembro”, disse Assis Pereira de Morais, pois, “foi importante não só para o mundo como também para mim”. Foi nesse dia que ele começou a lutar contra os planos do lixão. A comunidade Santa Rosa se organizou com outros municípios e órgãos para paralisar o projeto, mas a cidade voltou em 2011 com uma proposta ainda maior: um lixão para onze municípios. Eles trouxeram uma escavadeira ao local para provar que a água era profunda o suficiente para que o lixo não a afetasse. Eles encontraram água a 1 metro de profundidade.


O governo local não conseguiu obter a licença do órgão ambiental estadual, então foi realizada uma audiência pública. Membros da comunidade, agentes ambientais estaduais e o procurador público, que viram a escavadeira atingir a água, compareceram ao encontro com o prefeito. Todos eles se opuseram ao lixão. O prefeito desistiu, dizendo que havia encontrado outro local. Hoje o local continua sendo uma exuberante floresta tropical crescendo sobre um riacho calmo. Ao lado, a água apoia os projetos de agricultura comunitária da AAR e o plantio de árvores ajuda a restaurar mais do ecossistema.


Follow us on social media:      Instagram      Facebook      Twitter

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter

Connections between Water and Rural Production: Sociohydrological Systems on a Tropical Forest Frontier

Project funded by the National Science Foundation: CNH-L #1825046

A collaboration between:

© 2019 by Salisbury University. Proudly created with Wix.com |  Terms of Use  |   Privacy Policy