Grupos focais

Março de 2019

Nós conduzimos grupos focais em cada uma das três regiões de estudo, em Março de 2019, para informar e permitir revisões ao trabalho de campo planejado para Julho de 2019. Nós realizamos 9 reuniões com produtores rurais de Ariquemes, Cacaulândia, Rolim de Moura e Ouro Preto do Oeste. A nossa principal intenção foi aprender sobre a extensão na qual as famílias têm experimentado mudanças na água azul e verde e como os produtores rurais investem para reduzir a vulnerabilidade a essas mudanças.

 

Utilizando o método etnográfico de modelagem de árvores de decisão (Inglês, EDTM) de Gladwin (1989), propomos atividades que foram conduzidas na seguinte ordem:

1) criação de um calendário sazonal de eventos, processos e atividades principais executados pelos produtores durante um ano, incluindo os principais processos relacionado a água azul e verde e interações sociais;

 

2) construção de uma linha do tempo referente aos últimos 5 anos (extensível a 10 anos) para identificar quaisquer eventos ou mudanças significativas e relevantes aos eventos, processos e atividades listados no item anterior;

3) identificação das principais decisões que os produtores precisam tomar tanto regularmente quanto em resposta a eventos inesperados;

 

4) classificação das decisões regulares (programadas) e tomadas em resposta aos eventos inesperados por ordem de importância e influência no sustento da propriedade.

 

Aprendemos que os produtores rurais reconhecem a importância da água para a produção rural e têm observado mudanças na disponibilidade de água azul e verde. Por exemplo, nos últimos anos eles notaram mudanças nos padrões de precipitação, reduções no volume do rio e mudanças na umidade do solo. Em geral, para se adaptar a essas mudanças eles alteram o tempo de plantio, investem no plantio de variedades clonais (cacau e café), intensificam a aeração em tanques de peixes, deixam a floresta crescer ao redor dos rios, irrigam e constroem tanques e poços para garantir a disponibilidade de água para a criação animal durante a estação seca. No entanto, o principal problema enfrentado é a falta de pasto para o gado. Produtores maiores ou mais avançados tecnicamente estão irrigando as pastagens, fornecendo silagem para o gado, alugando pastagens, investindo em variedades de grama mais produtivas e manejando o gado por meio de técnicas de rotação de pastagens. Esses produtores maiores também parecem ter um planejamento anual mais bem definido (ou seja, eles planejam quando os bezerros nascem, quando devem ir para o confinamento e para o abate), o que maximiza a produção durante a estação seca. Os agricultores estão começando a usar a irrigação por gotejamento e relataram que esse tipo de projeto de irrigação tem se tornado uma condição para o acesso ao crédito rural. Pequenos produtores, que muitas vezes não irrigam o pasto, liberam o gado para pastagens extensiva e vendem os bezerros mais fracos e as vacas mais velhas quando a estação seca chega e a densidade de estocagem não é sustentável. Muitos relataram que é comum ver o gado morrer devido à falta de pastagem durante a estação seca. Algumas vezes, o gado é encontrado morto nos tanques porque entram à procura de comida e, como estão famintos e muito fracos, ficam atolados. Outras vezes, o gado morre porque o pasto está seco e superlotado.

 

Essas informações nos permitiram identificar a estrutura de tomada de decisão em torno dos sistemas de produção agropecuária e respostas ao estresse hídrico. Usamos esse conhecimento para revisar nosso questionário e definir a estrutura, os parâmetros e a ordenação de atributos para que os experimentos de escolha discreta (Inglês, DCE) sejam incluídos na pesquisa, a fim de obter respostas comportamentais hipotéticas às mudanças na disponibilidade de água. Os grupos focais também forneceram insights sobre quais parâmetros de preferência não observados variam mais entre os produtores rurais e tendem a ser mais influentes no modelo baseado em agentes e, portanto, devem ser incluídos no questionário aos aos produtores rurais.

 

A equipe de pesquisa contou com o apoio de várias instituições locais para realizar as reuniões e gostaria de agradecer:

 

  • Ariquemes / Cacaulândia: Associação das Mulheres, EMATER, Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

  • Ouro Preto do Oeste: ASPRUMOP, EMATER, IDARON, Sindicato Rural dos Trabalhadores Rurais de Ouro Preto do Oeste, SENAR.

  • Rolim de Moura: Associação APROSUL, Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, EMATER e CEPLAC.

Produtor rural de Rolim de Moura orgulhoso de seu cacau clonal cultivado com apoio de uma agência de extensão (CEPLAC).
Bomba para fornecimento de água para irrigação de café e cacau. Propriedade em Rolim de Moura.
Produtor rural em Rolim de Moura orgulhoso do córrego na parte de trás do seu lote: "Este rio é a minha maior riqueza. A água é tudo!"
Instrumento para capturar e medir a quantidade de chuva instalada pela EMATER em uma propriedade em Rolim de Moura.
“Todos nós aqui sabemos de pelo menos um córrego que secou”, frase dita durante reunião no Sindicato dos Produtores Rurais de Ouro Preto do Oeste.
“É normal ver gado morrendo na estação seca. Eles podem ficar atolados em um tanque enquanto procuram comida ou morrem no pasto quando está seco e superlotado. Eu nunca vi gado morrer de falta de água, eles morrem por falta de comida ”
Show More

“Eu estou deixando a mata crescer ao redor da nascente porque isso fornece água boa para a propriedade”

Siga-nos nas redes sociais:    Instagram      Facebook      Twitter

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter

Conexões Entre Água e Produção Rural: 

Sistemas Socio-Hidrológicos em uma Fronteira de Floresta Tropical

Uma colaboração entre:

© 2019 by Salisbury University. Proudly created with Wix.com |  Terms of Use  |   Privacy Policy