top of page
  • Water Production Connections

Cartão postal do campo: Amazônia Rondoniense

Por Rachel Dubbs

uma pastagem com poucas palmeiras. Uma nuvem de fumaça sai da floresta no horizonte contra um céu nebuloso e cinza.
Queimada em Ouro Preto do Oeste, 2005. Foto: Jill Caviglia-Harris

O projeto Conexões entre Água e Produção Rural (CAP) investiga se e quais agricultores adaptam seus sistemas de produção quando experimentam mudanças nas chuvas, quais adaptações eles fazem e se essas adaptações reduzem as perdas de renda esperadas quando ocorre a seca. Uma melhor compreensão dessas respostas informará os esforços das agências governamentais e da sociedade civil para ajudar os agricultores a se ajustarem às mudanças na disponibilidade de água. Como estudante de estudos ambientais e ciências políticas na Salisbury University, acompanhei os pesquisadores e registrei minhas observações.


Após meu retorno a Salisbury no semestre de outono de 2019, sentei-me para escrever sobre minhas viagens em Rondônia. Enquanto me preparava para escrever, vi mensagens de Leonardo DiCaprio, Madonna e outras celebridades nas redes sociais, informando que a Amazônia estava em chamas. Quem poderia imaginar que, um mês atrás, eu estava exatamente no mesmo local que um dos assuntos mais populares da semana: #prayfortheAmazon ? Ao lado das hashtags, havia imagens de chamas consumindo florestas tropicais verdes maduras e uma fumaça cinza espessa escondendo o sol.

Um dos meus aspectos favoritos de Rondônia era o aparecimento de um vasto céu azul pontilhado por cúmulos ondulados. Parece ridículo, mas por algum motivo, o céu em Rondônia parecia tão grande, e fazia você e seus arredores parecerem incrivelmente minúsculos. Esse grande céu azul havia desaparecido.


Antes de chegar à Amazônia brasileira, aprendi que a paisagem de Rondônia não era o que eu esperava. Meus mentores, drs. Jill Caviglia-Harris, Daniel Harris e Andrew Sharma, me informaram que Rondônia é um dos estados mais desmatados da Amazônia.

Os programas do governo estimularam a migração para a área pela primeira vez na década de 1970. Durante esse tempo, dezenas de milhares de migrantes se mudaram das regiões urbanas mais populosas ao redor de São Paulo e do Rio de Janeiro em busca de terras gratuitas. O desmatamento rápido resultou quando esses migrantes limparam terras para estabelecer fazendas familiares.


Durante meu tempo em Rondônia, pude acompanhar vários estudantes rondonianos que estavam entrevistando fazendeiros locais para obter informações sobre como eles viviam e usavam suas terras. Embora eu tenha vindo preparado para ver um extenso desmatamento, não acho que nada poderia ter me preparado para o que considero o pior pesadelo de um estudante de estudos ambientais.


Nossa viagem para as casas dos fazendeiros incluiu quilômetros e quilômetros de estradas de terra cortando extensas pastagens sem nenhuma floresta à vista. Muitas vezes era difícil respirar por causa da poeira que circulava no ar. Fiquei desanimada ao ver essa versão da Amazônia principalmente porque tinha uma curta experiência do que Rondônia poderia ser.

Não pude deixar de me perguntar como esse clima seco e empoeirado pode ser resultado do desmatamento. Ao discutir minhas observações com os doutores. Trent Biggs, hidrólogo, e Fernando De Sales, climatologista, ambos professores da San Diego State University, me informaram que a história de desmatamento de Rondônia impactou significativamente o meio ambiente.


Biggs explicou que “menos árvores significa menos chuva”, causando mudanças no ciclo hidrológico. De Sales acrescentou que a presença de longo prazo da agricultura e sua intensificação contínua, em conjunto com o declínio das chuvas, podem reduzir significativamente a qualidade do solo. Ambos prevêem que os agricultores eventualmente precisarão se ajustar a essas mudanças nas condições ambientais.


No meu voo de volta aos Estados Unidos, me perguntei se o que vi na paisagem de Rondônia é o futuro de toda a Amazônia. Enquanto estou sentado aqui agora, dias após a tendência de #prayforheAmazon, descobri que os incêndios começaram em parte porque o governo brasileiro vê a floresta amazônica como um uso ineficiente da terra. O presidente Bolsonaro, cuja retórica apoia o desenvolvimento contínuo e a expansão agrícola na Amazônia, rejeitou doações para ajudar a combater os incêndios iniciados por seus fazendeiros apoiadores e continuou a pressionar para desenvolver ainda mais a região.

Commentaires


bottom of page